Shewantedtobemyloverbutmyheartwaswithanotherand

katenashgirltalk

Em 2008, quando eu a descobri, rapidinho fiquei viciada na Kate Nash. Cantava ‘Birds’ o tempo inteiro (sem pular partes porque era tudo lindo), ouvia ‘Nicest Thing’, o hino das paixões platônicos, quase todos os dias, arrumava o quarto com ‘Pumpkin Soup’, achava que ‘We Get On’ era a minha vida e que “Dancing at discos, eating cheese on toast, yeah you make me merry make me very very happy, but you obviously, you didn’t want to stick around… So I learnt from you” era um dos trechos mais legais sobre términos de todos os tempos (ainda acho, pelo menos, meio genial).

Fiquei com esse album por um tempão, e mesmo quando a Kate lançou, em 2010, um novo trabalho “My Best Friend Is You” eu curti um pouco, mas não cheguei a ouvir todas as músicas e nem a dar tanta atenção. Tanto, que só fiquei sabendo que ela viria ao Rio fazer show, depois que ela havia ido embora… ): Marquei muita bobeira aí! Por conta desse mole, me animei há algumas semanas, quando soube que ela viria ao Brasil para o Cultura Inglesa Festival, que é de graça (!), mas em São Paulo (oh, shit). E assim, por não poder ir para SP, perdi outro show da Kate. Maaaas eu nem havia ouvido seus últimos álbuns… Então, mesmo perdendo a chance do show, resolvi que já estava mais do que na hora de ouví-los.

Comecei por ‘Sister’, do terceiro cd, ‘Girl Talk’. O comecinho do refrão (usado como título desse post) não sai da minha cabeça, desde então. Como a voz da Kate, que já era linda, está lindamente diferente, quase que “de qualquer jeito”, bem solta. Ouvindo você vai entender. Como fui logo, sem nem conhecer direito o segundo cd (‘My Best Friend is You’, que deve ter músicas que sinalizam o novo estilo e caminho que ela tomaria), a diferença entre ‘Made of Briks’ (o primeiro trabalho dela, lançado em 2007) e o último é gritante. Com muitos gritinhos.  E mesmo com a mudança radical, o disco lançado em março desse ano não ficou menos viciante. Só que agora, ao invés de surpresinhas em cada música, o cd inteiro é uma grande surpresa; e no lugar de letras lindinhas e engraçadas, que davam vontade de sentar na cama com o violão e cantar bonitinho, a vontade agora é de dançar, gritar e mandar ver numa guitarra bem louca.

Aqui um vídeo da Kate cantando ‘Sister’ ao vivo =)

Resolvi escrever esse post antes de escutar todo o segundo cd, pois senti que tinha bastante para falar sobre o terceiro. O album é superfeminista, com letras criticando o sexismo (e quem fala que isso não existe), uma música chamada ‘Free My Pussy’; e aquele toque de humor (menor do que eu imaginei) em ‘I’m a Faminist, You’re Still a Whore’ (he he he). Aliás, o começo desta me lembra muito Little Red. Little red, little red, little red. Mas ‘Masion Song’ já dava espaço para o feminismo em ‘MBFIY’.

Estou gostando bastante de todas, mas acho que ‘Sister’ continua sendo a minha favorita! Kate Nash punk de garagem é irresistível. Voltei da aula e a primeira coisa que fiz foi ouví-la. Acho que gosto tanto porque me dá a sensação de pertencer a uma época do século passado, da qual eu não pertenci. Acho que é alguma coisa como ser adolescente nos anos 80/90. Por mais que eu ame rock dessas décadas, sempre ouço com a conciência de que são de outros tempos. Já o ‘Girl Talk’ soa parecido, mas é desse ano, da minha época, do meu tempo, e fala das mesmas coisas com as quais me identifico. #MeRepresenta

Anúncios

Feministas Estridentes.

Depois de amanhã é 8 de março, o Dia Internacional da Mulher. Em homenagem a todas nós, rodei pelos meus blogs favoritos sobre feminismo, e escolhi, para ilustrar o CD5 dessa semana, cinco imagens feministas que representam vitórias das mulheres até aqui, e toda a luta que ainda temos pela frente. Essa luta é diária, contra nossos próprios preconceitos e também contra os padrões e modelos que nos são apresentados como “o que é correto”. Feminismo não é sexismo, e nós mulheres só queremos/merecemos igualdade, respeito e direito de tomar as próprias decisões. É uma causa de todas (os) nós, absolutamente, pela liberdade de ser.

Não sei quem fez a colagem, mas tem ilustrações da http://anna-grrrl.tumblr.com

Não sei quem fez a colagem, mas tem ilustrações da http://anna-grrrl.tumblr.com

Fonte desconhecida, vi no http://smellslikegirlriot.tumblr.com

Fonte desconhecida, vi no http://smellslikegirlriot.tumblr.com

Nos comentários do http://slutshamingdetected.tumblr.com/Quase todo mundo já penso assim, e nunca é tarde pra pensar melhor.

Nos comentários do http://slutshamingdetected.tumblr.com/
Quase todo mundo já pensou assim, e nunca é tarde pra pensar melhor.

Aliás, as meninas que editam todos os blogs citados são demais! Parabéns especiais para elas 🙂 O conteúdo é cheio de informação, arte, opiniões, denúncias e textos inteligentes que eu indicaria pra todo mundo, homens e mulheres.